Foto: Eric Romero / PMSCS

O atletismo e o paratletismo do Brasil terão seis representantes nas Olimpíadas e Paralimpíadas de Tóquio, a partir do fim deste mês. Os seis atletas fazem parte do atletismo do Iema (Instituto Elisângela Maria Adriano) de São Caetano do Sul.

A coordenadora do Iema (entidade conveniada com a Selj) é a própria Elisângela, supercampeã no arremesso de peso e atual detentora do recorde brasileiro e sulamericano no arremesso de peso, com 19,30 m, alcançado em Tunja, na Colômbia, em 2001. Já o coordenador de atletismo da Selj (Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude) é João Paulo Alves da Cunha.

 

ATLETISMO

As duas atletas que estarão em Tóquio na disputa das Olimpíadas são Jucilene Sales de Lima (lançamento de dardo) e Izabela Rodrigues da Silva (lançamento de disco). Aos 30 anos e natural de Taperoá, na Paraíba, Jucilene representa o atletismo de São Caetano há 17 anos e tem como principais conquistas o bronze nos Jogos Pan-Americanos de Toronto (Canadá), em 2015, e prata no Campeonato Mundial Militar da Coreia do Sul. Esta será a primeira Olimpíada de Jucilene. “Tenho capacidade de estar entre as melhores e vou para ganhar, a conquista será consequência do meu trabalho e das minhas adversárias.”

Já Izabela é paulista de Adamantina, tem 25 anos, e chegou em São Caetano em 2010, com 14 anos. “Essa será minha primeira Olimpíada e quero dar o meu melhor, independentemente de conquistas”, ressaltou Izabela.

 

PARATLETISMO

Os quatro paratletas olímpicos são João Victor de Souza (Lançamento do Disco), Júlio César Agripino (1.500 metros), Raissa Rocha Machado (Lançamento do Dardo) e Marivana da Nóbrega (Arremesso do Peso). 

Os quatro paratletas representam as cores de São Caetano desde 2018, mas estão treinando no Centro de Treinamento do Comitê Paralímpico Brasileiro, na Vila Guarani (Rodovia dos Imigrantes), em São Paulo.

O paulista Júlio César e o carioca João Victor conquistaram suas vagas ainda em 2019, ao ganharem a medalha de ouro no Campeonato Mundial de Paratletismo, em Dubai. As vagas foram garantidas, pois o primeiro critério de vaga para as paralimpíadas é a medalha de ouro no último Mundial antes dos Jogos.

Já a baiana Raissa e a alagoana Marivana conquistaram suas vagas por ranqueamento mundial. Raissa é a segunda melhor do mundo em lançamento do dardo e Marivana é a terceira em arremesso de peso.