Na última quinta-feira (10/12) duas escolas da rede municipal de São Caetano -- a Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Ângelo Raphael Pellegrino e a Escola Municipal de Ensino (EME) Professora Alcina Dantas Feijão – foram premiadas pela destacada participação no 2º Torneio Intercolegial Greenk. A competição ambiental, que foi realizada ao longo de 2019, mobiliza estudantes de escolas públicas e privadas de todo o estado de São Paulo para a importância do descarte correto do lixo eletrônico. 

Na disputa pela maior quantidade de lixo eletrônico coletado, a EMEF Ângelo Raphael Pellegrino, estreando no torneio, obteve a segunda colocação em todo o estado de São Paulo – atrás apenas EMEB Professor Stélio Machado Loureiro, de Bebedouro, interior de São Paulo. A EME Prof. Alcina Dantas Feijão obteve a 12ª posição na classificação geral e a 5ª melhor colocação entre as escolas públicas.  Pelas classificações obtidas, as escolas Pellegrino e Alcina foram contempladas, respectivamente, com 10 e 5 computadores remanufaturados.

Os computadores remanufaturados são doados pelo MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), por meio de uma parceria com o Inac – Instituto Nova Ágora de Cidadania. Instituição não governamental sem fins lucrativos, o Inac dedica-se à preservação do meio ambiente e à inclusão digital por meio da reciclagem do e-lixo (lixo eletrônico). Parceira do Torneio Greenk, a entidade recebe doações de eletrônicos e converte o material descartado em novos equipamentos.

“O engajamento das escolas públicas é diferenciado, elas têm se mostrado muito motivadas pela causa ambiental”, avalia Fernando Perfeito, diretor geral do Torneio Greenk.  “Além disso, as escolas de São Caetano fizeram bom uso pedagógico do torneio, relacionando a coleta de lixo eletrônico aos componentes curriculares. Foi uma grande oportunidade de gerar uma ação ambiental tangível e formar cidadãos mais conscientes”, diz o diretor do Greenk.

Giulia Lourenço Pinheiro e Iago Gatti Véga, alunos do 9º ano da EMEF Pellegrino, contam que não sabiam da importância do descarte correto do lixo eletrônico até participarem do Torneio. “Há componentes no lixo eletrônico que fazem muito mal para o meio ambiente”, alerta Giulia. Iago ficou surpreso com a riqueza oculta nesse material descartado. “Aprendi que há muitas peças que podem ser aproveitadas para criar coisas novas”, assinala. Um bom exemplo ele tem hoje na própria escola, no Laboratório de Robótica enriquecido por mais 10 computadores. 

Em 2020 o torneio foi suspenso pela pandemia e a premiação de 2019 não pôde ser realizada com a festa que era prevista. Mas os organizadores do Greenk já planejam a realização do torneio no próximo ano. E as escolas da rede municipal de São Caetano estão preparadas para participar.