Texto: Eliane Parmezani MTb 48.006/Secult PMSCS

Foto: Dança Cigana com Samia El Kaderi (segunda, da esquerda para direita) e convidadas (Crédito: Regina Maria / Secult PMSCS)

 

Nos últimos sábado e domingo (9 e 10/04), a Festa Mística de São Caetano do Sul fez uma imersão por culturas e valores ancestrais, com música étnica e apresentações de dança, palestras temáticas e muitos produtos e serviços esotéricos, na Estação Cultura, que fica no piso superior do terminal rodoviário, no Centro. A atividade é uma realização da Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Cultura (Secult). 

De acordo com o secretário de Cultura, o sucesso da Festa Mística de 2021 motivou a realização de duas edições em 2022 - a próxima será em outubro: “A Festa Mística de São Caetano já é um sucesso. Houve aumento na procura, tanto de expositores e de outros profissionais do ramo quanto do público. Ainda é um projeto piloto, por isso é realizado na Estação Cultura, por ser de fácil acesso para os visitantes e ponto de encontro de múltiplas manifestações artísticas da cidade. Além disso, por meio dos eventos temáticos, convidamos as pessoas a conhecer o equipamento cultural”. 

Participaram 28 expositores, entre comerciantes de produtos místicos, terapeutas naturais e holísticos, oraculistas e mais de uma dezena de convidados, entre dançarinas, grupos de dança e palestrantes. Cerca de 2.000 pessoas circularam pelo local nos dois dias de atividades, doando aproximadamente 140 kg de alimentos, destinados ao Fundo Social de Solidariedade do município. A arrecadação pela cessão do uso do espaço, revertida para o Fundo Municipal de Cultura, foi 47% maior se comparada à edição do ano passado.

 

Fomento

Luciano Sallun é músico, pesquisador em instrumentos étnicos e orientais, e produtor musical. Apresentou-se ao sitar (instrumento musical indiano) encerrando as atividades da primeira Festa Mística do ano. Sallun foi contemplado no Edital da Secult, de premiação a atividades com recursos da Lei Aldir Blanc n. 14.017/2020, levando o projeto “Multiculturalidades” ao Espaço Verde Chico Mendes em fevereiro:

“Em uma festa temática, na Estação Cultura, o público é mais específico porque tem o propósito de vir para curtir o evento. No parque Chico Mendes, por exemplo, o público é mais diversificado porque abrange os frequentadores do espaço. O que também é válido, porque assim se cumpre a função social de levar cultura para quem não sairia com o intuito de assistir a uma apresentação assim”, explica. Sobre políticas públicas de fomento, comenta: “as cidades cumprem um papel real de conhecer e entender seus artistas, pois estão mais próximas deles.”

 

Oportunidade e geração de renda

A professora de Dança Cigana e de Dança do Ventre, Samia El Kaderi, do Instituto El Kaderi, participa pela segunda vez da Festa Mística. Samia, que também foi instrutora de Dança do Ventre pelo programa Oficinas Culturais da Secult, em 2021, conta que o estabelecimento ficou fechado até o final do ano passado por conta da pandemia de Covid-19. “Ainda assim, abrimos poucos horários, com número restrito de alunas, em turmas bem espaçadas. Estamos ampliando as turmas este ano. A princípio, são eventos como este que ajudam a nos manter na ativa, apresentando nosso trabalho e a nossa escola”. 

Miriam Cecília, que realiza atendimentos com baralho cigano, participa pela segunda vez da Festa Mística de São Caetano do Sul. Segundo Miriam, além de emanar boas energias, o evento é uma vitrine para suas atividades: “Pessoas que passaram comigo no ano passado indicaram meus serviços a outras pessoas e, por causa disso, passei a atender também de maneira on-line. Hoje minha agenda é, praticamente, toda virtual devido à Festa de 2021. O negócio se alastrou de tal forma que cheguei a fazer leitura pela Internet para uma sancaetanense que estava em Portugal”, conta, com um largo sorriso de satisfação.

Até a tarde de domingo, o casal Armando e Tania Silvério, da Cristalma Velas e Aromas, tinha vendido cerca de 80% dos produtos que levou para comercialização no local. Alguns itens já haviam esgotado, e esperava atingir a cifra de 98% de vendas no total, como na edição anterior. Animado com o resultado, Silvério explica que, “além de ser uma festa bonita, é rentável. O perfil do visitante é de quem procura consumir produtos e serviços no ramo: ele não vem só para passear, vem esperando melhorar a vida”.

Toda a programação cultural da cidade pode ser acompanhada pelo site cultura.saocaetanodosul.sp.gov.br.