Foto: Eric Romero

O Núcleo de Educação em Urgência, parte do serviço de atendimento pré-hospitalar do SOS Cidadão 156, da Secretaria de Saúde de São Caetano do Sul, realiza capacitação e habilitação para atendimento de primeiros socorros pré-hospitalares para urgência aos colaboradores do serviço de Atenção Primária à Saúde. Serão capacitados 450 colaboradores até o dia 22 de dezembro divididos por turmas. Os treinamentos tiveram início na terça-feira (22/11) e são realizados no auditório da DAB (Diretoria da Atenção Básica).

O grupo foi dividido em 19 turmas, nos períodos manhã e tarde. O curso é ministrado pela equipe do SOS Cidadão 156 e tem duração de 4 horas. “A capacitação da equipe administrativa das unidades, bem como dos Agentes Comunitários de Saúde, são fundamentais. Eles são linha de frente, estão na casa das pessoas, observam situações de vulnerabilidade e condições clínicas. Precisam também se preparar para estarem à frente de situações que exigem respostas rápidas”, explicou a secretária de Saúde, Regina Maura Zetone.

Estão sendo abordados temas como desmaio, hipoglicemia, engasgo, crise convulsiva, ferimentos, queda, parada cardiorrespiratória e acionamento do serviço de emergência no município. “Quem está em visita domiciliar, se depara com todo tipo de ocorrência. Eles devem estar preparados para atender e multiplicar as informações para nossos moradores. Eles aprendem como atender e como multiplicar as informações para os pacientes no dia a dia. Muitas pessoas sofrem de convulsão, por exemplo, eles estarão capacitados para ensinar o que fazer e como acionar a emergência. Gestantes e puérperas também podem ser orientadas sobre como agir em caso de engasgo dos bebês”, explicou Renan Tomas, enfermeiro responsável pelo Núcleo de Educação de Urgência.

“A capacitação em primeiros socorros aos profissionais administrativos, da equipe de odontologia, farmácia, Agentes Jovens, Mais Oportunidades e Agentes Comunitários de Saúde promoverão a segurança dos pacientes usuários do SUS. Algumas situações, tais como manejo de parada cardiorrespiratória, hipoglicemia, engasgo,  sofrem grande impacto na sobrevida, se houver reconhecimento e atendimento precoce por uma equipe capacitada. Estes treinamentos são baseados em protocolos internacionais e devem se considerar a realidade local e segurança de todos os envolvidos”, finalizou a diretora da atenção básica, Gabriela Vaccarezza.