A Prefeitura de São Caetano do Sul está empenhada em ações para redução do consumo de tabaco. No Dia Mundial sem Tabaco, comemorado nesta terça-feira (31/5), a Secretaria de Saúde destaca ações para quem quer largar o tabagismo. Até 2020, o atendimento que era realizado no CAPS AD (Centro de Atenção Psicossocial) foi ampliado e hoje, seis Unidades Básicas de Saúde (UBSs) realizam grupos de atendimento com moradores que desejam perder o vício. Atualmente, 90 pessoas estão em tratamento nas UBSs e 24 no Caps. 

Dados do INCA (Instituto Nacional de Câncer) indicam que o tabagismo e a exposição pacífica ao cigarro são as principais causas de câncer de pulmão, a segunda causa-morte mais frequente no Brasil. Segundo o Instituto, em cerca de 85% dos casos diagnosticados, o câncer está associado ao consumo de derivados do tabaco. 

A taxa de incidência começou a diminuir na década de 1980, entre homens, e desde meados dos anos 2000 entre as mulheres. “Homens e mulheres acabam abandonando o uso do tabaco por razões distintas. Na mulher, seu uso muitas vezes está associado à mudança de humor e fatores hormonais, criam dificuldade para que ela deixe de fumar, muitas vezes, por medo de ganhar peso”, explicou a secretária de Saúde, Regina Maura. 

“A implantação dos grupos de cessação do tabagismo tem como objetivo fornecer ao tabagista meios de interromper o uso do tabaco, através de um grupo de apoio e intervenção farmacológica, com auxílio de uma equipe multiprofissional”, afirmou a diretora da Atenção Básica, Gabriela Vaccarezza.

Em 2020, um projeto piloto foi realizado na UBS Dr. Ivanhoé Sposito, quando a descentralização começou a ocorrer, e por conta da pandemia precisou ser interrompida. Na ocasião, foi realizado estudo em parceria com a Faculdade de Medicina da USCS (Universidade Municipal São Caetano do Sul), utilizando a Escala de Fagerstrom, que mede o grau de dependência à nicotina, para estudar o público alvo que procurou o serviço.

“A maioria das participantes era de mulheres (61%), com idade variando entre 36 e 74 anos. Após oito meses de programa, o grupo foi reavaliado constatando a redução no uso de tabaco em todas as faixas etárias entre as pacientes mulheres. Já para os homens, a maior taxa de não retorno estava entre pacientes jovens e a evolução no tratamento aconteceu com homens acima de 6 anos”, explicou Gabriela, que publicou nota técnica junto com participantes e outros docentes. 

Ao longo do acompanhamento, os participantes do estudo receberam ligações telefônicas efetuadas pelos estudantes de medicina sob supervisão do médico e enfermeira da equipe de estratégia de saúde da família.

CIGARROS ELETRÔNICOS

Os dispositivos eletrônicos, com essências e sabores variados, têm atraído atenção e curiosidade de milhares de jovens, mas eles provocam consequências tão nocivas quanto o cigarro comum. “Hoje em dia, os jovens têm acesso a um inimigo silencioso: os cigarros eletrônicos. Eles podem servir de ponte para a entrada no vício de fumar e possuem outras substâncias tóxicas, além da nicotina”, destacou Regina Maura.

O morador que deseja ajuda para deixar o tabagismo pode procurar qualquer UBS do município ou o CAPS AD. No momento, existem grupos nas seguintes unidades: Centro de Especialidades Médicas, UBS Amélia Richard Locatelli, Darcy Sarmanho Vargas, Moacyr Gallina, Nair Spina Benedictis e Angelo Antenor Zambom. O CAPS AD funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h, na Rua dos Castores, 10, Bairro Mauá.